Mudanças Climáticas exigem monitoramento constante, com informações em tempo real
19/03/2010

ESPECIAL - DIA INTERNACIONAL DA METEOROLOGIA – 23 DE MARÇO

 

 

 

Por Mauro Banderali*

Fornecer previsões meteorológicas a longo prazo é a melhor forma para analisar e planejar ações preventivas evitando os riscos trazidos pelas mudanças climáticas e seus fenômenos naturais adversos, sejam eles em freqüência ou intensidade. Além disso, é ainda uma forma de inibir que problemas mais sérios afetem a população e o meio ambiente.

 

As mudanças climáticas são preocupantes, pois se sobrepõem à variabilidade natural do tempo, mostrando-se alteradas quando comparadas com os registros históricos de uma mesma região ao longo dos anos. O que se vê, hoje, são dados meteorológicos, que apontam o afastamento do Planeta de seu comportamento histórico natural. As mudanças nos gráficos apontam que o caminho que estamos seguindo não é o habitual. Por esta razão podemos afirmar que o panorama atual está trazendo uma mudança radical na Ciência da Meteorologia, para sempre.

 

Um fluxo cada vez maior, com mais e melhores informações, além do uso de tecnologia de ponta em sensores, instrumentos de medição e supercomputadores serão necessários para, senão driblar, ao menos, minimizar o impacto dessas mudanças.

 

A necessidade de obter dados meteorológicos, de forma rápida e localizada, tem aberto espaço no mercado para as estações meteorológicas customizadas. Isto, porque, elas são próprias para o estudo da climatologia local, na área desejada, bem como a verificação da temperatura, umidade, velocidade do vento, pressão atmosférica, entre outras variáveis. Elas podem auxiliar no trabalho e na segurança de empresas de geração e distribuição de energia, químicas, gestão e pesquisa agropecuária, concessionárias de serviços públicos e privados, defesa civil, entre outros. A implantação de estações particulares é necessária para a obtenção de uma previsão meteorológica diferenciada e para análise do comportamento clima de uma determinada região ou micro-região.

 

Atualmente, o tipo mais indicado de estação meteorológica é a automática. Um equipamento que não precisa de energia elétrica, pois possui painel solar que carrega continuamente a bateria. Os dados são coletados tanto à noite – por meio da bateria. Nela há um datalogger, que é o sistema que gerencia a energia, colhe os dados dos sensores e os armazena, e permite a transmissão dos dados processados. Estes dados são repassados por diversas vias, como telefone, celular, fibra óptica, ethernet, satélite, rádio, cabo serial e algumas vezes até mesmo por comunicação multimodal, que é quando são utilizadas duas ou mais tecnologias de comunicação para a transmissão.

 

Desta forma, é possível mensurar as perdas de modo mais efetivo e minimizar possíveis impactos futuros de mudanças abruptas no tempo, preservando vidas e patrimônios.

 

*Mauro Banderali é especialista em instrumentação ambiental e diretor da Ag Solve.

 

 

 

Atendimento à imprensa:

 

Daniela Mattiaso

daniela@artcomassessoria.com.br

 

Marlene Simarelli

marlene@artcomassessoria.com.br

 

Isabella Monteiro

isabella@artcomassessoria.com.br

 

ArtCom Assessoria de Comunicação

Telefone: (19) 3237-2099

Campinas – SP

© 2019 - ArtCom Assessoria de Comunicação - webdesign CG Propaganda