Uma em cada sete pessoas no Brasil sofre com zumbido nos ouvidos
12/03/2014
 Em alguns casos, zumbido afeta desempenho profissional, capacidade de concentração, interfere na convivência social e pode estar relacionado com doenças mais sérias. Hotsite exclusivo traz informações sobre prevenção e tratamentos existentes

             Apito, assobio, sussurro, grilo, chiado, estalos, coração pulsando. Essas são algumas descrições que podem ser relacionadas ao zumbido no ouvido, doença que acomete “a maioria das pessoas em graus moderado, permanente ou esporádico (por apenas alguns minutos) e são facilmente percebidas em ambientes silenciosos”, aponta Camila Quintino, fonoaudióloga e gerente de produtos da Starkey do Brasil.

Estimativas da Fundação de Otorrinolaringologia relatam que cerca de 20% dos portadores de zumbido possuem um grau de incômodo passível de prejudicar o convívio social, as atividades profissionais e até desenvolver ou agravar outras doenças como depressão, ansiedade e pânico; enquanto dados do Grupo de Informação a Pessoas com Zumbido (GIPZ) de Curitiba (PR) apontam que em 80% dos casos, o zumbido é bloqueado pelo cérebro e não incomoda o indivíduo. Porém, 5% possui o “zumbido incapacitante”, que pode comprometer atividades profissionais, sociais e a saúde ao afetar a capacidade de se concentrar ou dormir. “Por isso, é cada vez mais importante divulgar informações que podem ser úteis aos pacientes, para que eles descubram a origem dos ruídos e possam escolher o tratamento correto”, ressalta a fonoaudióloga.

Para facilitar o acesso às informações sobre a doença que prejudica a vida de 28 milhões de pessoas no país (um em cada sete brasileiros sofre com o zumbido) e de 17% da população mundial, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS/2013), a Starkey do Brasil, líder mundial em tecnologia auditiva, lança o hotsite exclusivo www.tudosobrezumbido.com.br. Na página, o paciente pode pesquisar sobre prevenção, sintomas, principais causas e o tratamento com uso de aparelhos auditivos. “Prevenir-se contra o zumbido para evitá-lo futuramente é o segredo; o zumbido origina-se, principalmente, de fatores muitas vezes reversíveis ou controláveis”, explica Camila.

Avaliação médica deve ser precisa

A fonoaudióloga destaca que cada caso tem suas particularidades. “O diagnóstico dos possíveis fatores envolvidos em cada paciente é importante para que o tratamento seja personalizado e atue diretamente nas causas detectadas”.

As causas do zumbido podem estar dentro ou fora do ouvido e da via auditiva. “Estresse, distúrbios no metabolismo, uso indevido de fones de ouvido e sons em excesso, tumores, acidentes vasculares cerebrais (AVC’s), doenças neurológicas, na tireoide e cardiocirculatórias, má alimentação e alterações emocionais como ansiedade, depressão e síndrome do pânico são alguns fatores que podem ocasionar o zumbido”, detalha Camila, que aconselha o acompanhamento médico imediato independentemente dos sintomas apresentados. “A avaliação médica deve ser precisa para que o tratamento ocorra da maneira correta.”

 

Sobre a Starkey

A Starkey é uma empresa de tecnologia auditiva, com sede em Eden Prairie, Minnesota, Estados Unidos, reconhecida por seu design inovador, desenvolvimento e distribuição de aparelhos auditivos digitais. Fundada em 1967, a Starkey emprega atualmente mais de 3.600 pessoas, opera 21 instalações e realiza negócios em mais de 100 países em todo o mundo. Para mais informações, visite o site: www.starkeyhearingtechnologies.com. No Brasil, visite: www.starkey.com.br.

© 2017 - ArtCom Assessoria de Comunicação - webdesign CG Propaganda